De acordo com as previsões do Governo, a carga fiscal deveria ficar, no máximo, nos 34,1% do PIB

Em 2017, a carga fiscal representou 34,7% do PIB, o valor mais alto desde 1995, ano em que o Instituto Nacional de Estatística (INE) começou a compilar dados sobre as contas públicas, avança o “Jornal de Negócios” esta terça-feira. Este número choca com a trajetória prometida pelo Executivo de António Costa, no âmbito do Orçamento do Estado para 2017, e coincide com algumas das acusações dos partidos da direita nos últimos dois anos.

Nem durante os ditos anos da troika o valor da carga fiscal foi tão elevado. Segundo os números do INE e as contas feitas pelo “Negócios”, mesmo tendo em conta o elevado crescimento – de 2,7% – da actividade económica no ano passado, os impostos e as contribuições sociais aumentaram ainda mais.

Isto justifica-se, por exemplo, devido ao facto de com a melhoria do mercado de trabalho e a recuperação do emprego, houve mais trabalhadores e empregadores a descontar para a Segurança Social.

De acordo com a previsões do Governo do OE para 2017, a carga fiscal deveria ficar, no máximo, nos 34,1% do PIB. Na época, o Executivo estava a contar com um PIB mais baixo – a taxa de crescimento projetada ficava-se pelos 1,5%, não os 2,7% realmente conseguidos.

Esta notícia será especialmente problemática para o Governo, pois vem confirmar já uma antiga acusação dos partidos da oposição: a carga fiscal real não diminuiu quando Costa chegou ao poder; pelo contrário, houve uma mudança nos impostos em que foram feitos os agravamentos – deu-se prioridade aos “indiretos”.

Fonte: Expresso

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *