O primeiro-ministro português ressalvou a importância de a Europa ter “uma política integrada de imigração”.

Durante a sua visita a Boston, nos EUA, António Costa falou aos jornalistas e abordou o tema da crise dos migrantes.

O primeiro-ministro português afirmou que Portugal tem tido uma posição “constante ao longo de décadas” no que às questões de emigração diz respeito, assumindo que a Europa tem “uma enorme responsabilidade por ser um continente de prosperidade económica” e pelas relações culturais e históricas com África, as quais não se podem ignorar.

“É absolutamente essencial é que a Europa passe a ter uma política integrada de imigração. Em primeiro lugar contribuindo para o desenvolvimento africano, para a estabilização da paz, para a consolidação de regimes democráticos onde haja liberdade, é preciso combater nas raízes as causas que obrigam milhares de seres humanos a arriscarem tudo para poderem libertar-se dos sítios de onde vêm”, disse ressalvando que, pela primeira vez, a Europa tem um grande programa de investimento na modernização do continente africano.

Costa explicou que é necessário regular os canais de emigração. “Nós precisamos de emigrantes e há muita emigração a sair de África. Temos de criar canais legais para não continuarmos a alimentar os canais ilegais”.

O líder do PS defendeu também que Portugal tem de vigiar a sua fronteira, “é certo”, mas tem, de igual forma, “assumir as responsabilidades internacionais de acolher aqueles que são refugiados, fugindo da guerra, das calamidades climáticas, das perseguições têm o direito a poder viver e encontrar uma terra que lhes ofereça segurança e a Europa tem sido esse continente”.

Algo que implica, para o primeiro-ministro luso, uma atitude solidária por parte de todos os estados-membros da União Europeia. “A solidariedade não existe só no momento da distribuição dos fundos europeus, existe também no esforço que todos temos de fazer para acolher aqueles refugiados que procuram a Europa”, afiança, mas recusando-se a culpabilizar Malta, Itália, Grécia e Chipre por, tal como aconteceu hoje, fecharem as portas a refugiados (quanto a estes refugiados, mais de 600, Espanha já se prontificou a recebê-los).

“Não podemos entender que a responsabilidade pode decair só sobre Malta, ou sobre a Grécia, ou sobre Chipre, ou sobre Itália que estão na primeira linha da procura… enfim que é a fronteira mais próxima do continente africano. Esse é um esforço que tem de ser partilhado por todos. Portugal, como sabem, assumiu voluntariamente, uma responsabilidade muito para além da sua cota e, até agora, nos programas de recolocação a União Europeia ainda não conseguiu colocar no país todas as pessoas que estamos disponíveis para acolher”, disse Costa aos jornalistas.

Outra das questões levantadas por António Costa foi de reflexão. Reflexão por parte da Europa para perceber o porque este sistema ( de imigração) não tem funcionado.

Na sua opinião, “não pode ser só pegar em pessoas num sítio para por noutro, porque as pessoas não são coisas”.

“As pessoas são seres humanos que têm projetos de vida. Os refugiados sírios que têm ido para Portugal no programa do nosso presidente Jorge Sampaio com a possibilidade de realizar um concreto projeto de vida que é puderem prosseguir os seus estudos superiores têm ficado em Portugal e nenhum saiu de Portugal. Todos aqueles que têm sido colocados em Portugal de uma forma aleatória, sem que tenham à partida qualquer perspetiva de terem um posto de trabalho, que têm família e amigos noutros países, naturalmente o que procuram imediatamente é juntar-se aos amigos e juntar-se às famílias”, concluiu.

Fonte: Noticias ao Minuto

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *