O ministro da Cultura e Desporto de Espanha, Màxim Huerta, esclareceu, ao final da tarde desta quarta-feira, o caso fiscal em que esteve envolvido e demitiu-se.

“Há momentos em que nos temos de retirar, e eu amo a Cultura”, disse Huerta na conferência de imprensa em que revelou que tinha apresentado a demissão ao primeiro-ministro, Pedro Sánchez, com quem tinha estado pouco antes.

Màxim Huerta anunciou que se demite por “responsabilidade” e “transparência”, no âmbito da polémica sobre uma alegada fraude à Fazenda Pública.

No entanto, Huerta nega qualquer tipo de fraude fiscal, denunciando um “bombardeamento” contra si e contra o “ar fresco” que o novo Governo trouxe. Explicou que não tinha feito nada ilegal e que se retirava para proteger o novo Governo de críticas.

O ex-ministro que é um ex-jornalista, ex-comentador televisivo e escritor abandona o lugar depois de, na manhã desta quarta-feira se ter sabido que tinha liquidado uma dívida de 366 mil euros ao Fisco de uma multa imposta pelo Tribunal Superior de Justiça de Madrid.

O jornal online “El Confidencial” revelou na manhã desta quarta que o ministro tinha sido multado por não ter declarado mais de 218 mil euros ao Fisco entre 2006 e 2008.

Huerta recorria a uma sociedade, a Almaximo Profesionals de la Imagen SL, para reduzir a tributação de um rendimento que auferia na cadeia de televisão Telecinco, com a participação num programa de grande audiência.

O jornalista conseguiu, assim, evitar ser tributado no regime geral do IRS (imposto sobre o rendimento das pessoas singulares), com uma tabela mais gravosa.

A Agência Tributária espanhola detetou o desvio e o jornalista foi notificado pela Justiça em maio do ano passado, tendo pago a sanção à qual foi condenado.

Màxim Huerta tinha tomado posse da pasta ministerial na passada quinta-feira num ato solene perante o rei, Felipe VI, menos de uma semana depois de o PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol) ter afastado o anterior Governo do Partido Popular (direita), presidido por Mariano Rajoy.

Pedro Sánchez, que prometeu limpar as instituições espanholas da corrupção existente durante os Governos da direita, foi pressionado durante todo o dia para afastar Huerta.

Fonte: JN

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *