A psicóloga Joana Amaral Dias demonstrou o seu desagrado, em direto para a televisão, acerca da atitude do Ministro da Administração Interna em relação à divulgação das imagens da captura dos criminosos que estiveram envolvidos em mais de 30 assaltos a idosos.

Refere ainda o facto do povo português estar saturado de tantos direitos, liberdades e garantias que são dados àqueles que cometem crimes.

“Compreende-se que o Ministro da Administração Interna fique preocupado com a divulgação das imagens da detenção dos agressores de idosos no Porto. Mas compreende-se ainda melhor que a PSP e a opinião pública fiquem indignadas com esta intervenção de Eduardo Cabrita. Afinal, é dele a responsabilidade da fuga deste violento gangue e, além disso, o governante não teve uma única palavra para as vítimas”, começa por escrever Joana Amaral Dias nas redes sociais.

“Este grupelho fez mais de 30 assaltos, roubou e espancou vários idosos, ameaçou tirar-lhes a vida, levou-lhes aqueles que eram, muitas vezes, os únicos e poucos pertences.”, frisou.

“Agora, o Ministro está preocupado com os direitos, liberdades e garantias dos detidos. E estes velhotes? Estão a ser acompanhados medica, psicologicamente e socialmente? Será que alguém lhes irá restituir o que lhes foi tirado? Idosos… um dos grupos mais vulneráveis e sem voz da sociedade.

Os portugueses estão fartos que se preocupem tanto com os direitos, liberdades e garantias dos delinquentes e pouco ou nada com os direitos, liberdades e garantias dos lesados. E isto é assim com crimes de sangue e com toda a demais criminalidade, até à financeira.

É por isso, por tantos direitos, liberdades e garantias, que os Armandos Varas e Oliveiras Costas da vida tiveram penas de prisão efetiva mas andam por aí, soltinhos como arroz, a pavonearem-se pelo Estado de Direito.”

“E é assim também que se cria o bolor e o ranço ideal para a radicalização fascistoide. Se as pessoas não se sentem protegidas e se, ainda por cima, veem que a prioridade é defender os criminosos, extremam posições. Se a democracia falha a sua primeiríssima missão- guardar as populações- não esperem depois a maioria esteja disposta a guardá-la. Amor com amor se paga. E desprezo retribui-se em ódio.”, finalizou a psicóloga numa publicação que já conta com centenas de milhares de visualizações.”

Fonte: Bombeiros24

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *