Ministério Público quer devolver coleção de quadros a Sócrates Arguido da Operação Marquês nega ser o dono de pinturas que incluem obra de Júlio Pomar.

O Ministério Público pretende devolver a coleção de quadros, avaliada em cerca de 200 mil euros, que foi apreendida a José Sócrates, no âmbito da investigação da Operação Marquês. Uma das obras de arte apreendida ao ex-primeiro-ministro é ‘Salomé’, de Júlio Pomar, que estava numa parede da sala de jantar no edifício Heron Castilho, em Lisboa. O Ministério Público quer que José Sócrates fique com a coleção como “fiel depositário” mas o ex-primeiro-ministro sempre negou ser o proprietário das obras de arte.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *