PCP acusado de querer despejar reformados para “rentabilizar” prédio

Partido adquiriu imóvel na Ajuda e terá dito à comissão de idosos que deveria sair da atual loja para “rentabilizar” o prédio.

Uma coletividade de reformados diz estar ameaçada de despejo da loja de um prédio onde está instalada, desde 2003, porque o imóvel, situado na Rua das Mercês, na Ajuda, em Lisboa, foi recentemente adquirido pelo Partido Comunista Português (PCP), que pretende agora ali realizar obras.

Fonte ligada à associação contou ao JN que, a 10 de outubro, a Direção foi chamada pelo partido e informada de que teria de abandonar o local até 1 de novembro, por necessidade de “rentabilizar” o espaço. Perante o protesto de alguns elementos, os responsáveis do PCP terão dito então que a comissão poderia permanecer além daquela data, mas não fixou novo prazo. “Disseram-nos apenas que podíamos ficar mais tempo, mas tínhamos de arranjar outro espaço. Ficaram de reunir connosco, mas nunca mais disseram nada”, adiantou a mesma fonte, que solicitou o anonimato.

A CURIFA (Comissão Unitária de Reformados e Idosos da Ajuda) ocupa a loja desde 2003 do prédio onde funcionou a Aliança Operária, sendo que o PCP tem no topo do edifício um centro de trabalho. “Até outubro, nunca houve problemas. Inclusive era a CURIFA quem pagava a eletricidade e a água do prédio todo”, afirma uma outra fonte contactada pelo JN.

O anúncio de saída, que “não foi posto por escrito”, segundo fonte da comissão, surpreendeu a Direção, deixando-a na iminência de ter de suspender as suas atividades. “Não compreendemos como o PCP ainda no sábado andou a distribuir panfletos no mercado da Ajuda a protestar contra a lei dos despejos e depois toma esta atitude”.

Ao JN, em nota escrita, o PCP disse “estranhar esta especulação promovida por interesses que não estão claros, uma vez que todos os aspetos decorrentes das obras de recuperação do edifício do Centro de Trabalho do PCP na Ajuda estão a ser considerados em diálogo com a Direção da associação de reformados, e que é falso que se esteja a promover um processo de despejo”.

PCP ADMITE REGRESSO

Na mesma nota, o partido confirma que “as obras dever-se-ão iniciar o quanto antes, obrigando naturalmente à saída de todos os ocupantes do prédio”, mas nega ainda a intenção de afastar definitivamente a comissão. “Tem sido levado a cabo uma iniciativa conjunta entre o PCP e a CURIFA, incluindo a verificação da situação da sua sede e das medidas para a sua utilização, mobilizando esforços para que a associação possa regressar à sede”, afirmam os comunistas.

Esta posição é, porém, desmentida por Jorge Marques, presidente da Junta de Freguesia da Ajuda, a quem a CURIFA pediu apoio. “Após receber um abaixo-assinado da comissão, reuni com três elementos do PCP, que nos disseram claramente que não era aceitável o regresso da associação porque tinham de rentabilizar o espaço”, afirmou o autarca ao JN.

Jorge Marques refere, aliás, que se a intenção fosse fazer obras e permitir o regresso da CURIFA ao local, “o problema deixava de existir”. Reafirma, porém, que não foi essa a posição assumida pelos representantes comunistas na reunião que tiveram. “Estive eu e a secretária do Executivo, não podem desmentir o que nos disseram”, observa.

O presidente da Junta de Freguesia manifesta a sua “profunda preocupação com o futuro da coletividade” e revela que já informou o vereador dos Assuntos Sociais na Câmara de Lisboa, no sentido de procurar apoio para uma nova sede para a comissão de reformados, caso o despejo se confirme.

Fonte: JN

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *